ARRUMANDO A CASA NO ANO NOVO

Por Teomar Aragão

Moro em uma terra linda, com um povo acolhedor e festeiro, que adora comemorar tudo no dia e na véspera. Somos trabalhadores, guerreiros como todo nordestino, enfim somos Baianos. Por que estou falando isso? Bem, o ano novo se iniciou hoje, segunda feira após o carnaval. Ùltima festa do ano passado, pois passamos pelo Natal, réveillon, férias só esperando o carnaval (não vou entrar em detalhes, pois vou falar do pós festa..rsrsr).
Ele chegou, me deixou 7 dias de folga do trabalho e agora recomeço o ano com energia renovada….

Então vamos ao papo.. E senta que lá vem história!!

Resultado de imagem para e senta que lá vem história

…..acredito que precisamos dessa pausa. Independente de crença, a nossa vida é uma só. Uns acreditam em uma só passagem na terra, outros como eu, acreditam em várias, aqui ou em qualquer outro lugar. Mas mesmo desse jeito a vida é uma só. No mesmo corpo, para alguns ou em corpos diferentes para outros. Como em uma casa, precisamos de um tempo para arruma la, organizar as coisas, fazer uma faxina, jogar fora o que não serve, doar o que não precisamos, compartilhar o que gostamos e aprimorar o que amamos.
Renovar é a palavra chave. Descoberta é o caminho. Assimilar a descoberta e torna la aprendizado é o desafio. Sempre gostei de pensar que nosso corpo é uma casa com vários cômodos. Uns com portas abertas e outros com portas trancadas e chaves escondidas. Qual o desafio? Achar as chaves e abrir as portas e janelas para que o ar puro e o calor do sol invadam o ambiente e o tornem habitável e confortável.
Então vamos lá.
No ano que findou vivi várias situações inusitadas (as quais vou revelando no decorrer desse ano).

Descobri que podemos controlar situações e perder esse mesmo controle em um piscar de olhos. Vivemos em um barco balançando sobre o sabor das ondas. Ora mar calmo, ora a se debater durante uma tempestade. Mas no final o sol volta a brilhar e tudo se acalma.
Hum! não gosto dessa sensação do desconhecido. Adoro uma zona de conforto onde sei o que vai acontecer no instante seguinte. Mas que boba que sou, não sei de nada. Nada é o que parecer ser, mas sim o que você faz parecer. Confuso?
Li em algum lugar que somos 3 pessoas. Uma que pensamos ser, uma que outras pessoas pensam que somos e a outra quem realmente somos (nunca tinha pensado desse jeito até ler essa frase).
Somos personagens dentro de nós mesmos. Vamos lá, façam o teste. Perguntem a si mesmos diante de um espelho: Qual a sua maior qualidade? Feche os olhos e terá uma resposta em sua mente. Se ela te agradar, logo virá outro pensamento discordando e daí um outro pensamento defendendo o seu primeiro e por ai vai. Existe uma luta constante dentro de nós. Nossas guerras silenciosas que ninguém sabe. Todos temos nossos segredos que a medida que vivemos e experimentamos as mais diversas situações, eles vão se revelando e nos fazendo dar mais um passo nesse nosso caminho chamado vida.
Então qual é o propósito do Ano Novo?

Renovação.

Sim, fazer de nós pessoas melhores. Planejamos zilhões de coisas. Só queremos o bem de todos e a paz mundial. Esse sentimento e essa energia é tão poderosa que muitas vezes nos empurram para um caminho nunca antes sonhado.
Qual é o nosso papel no mundo? Sermos felizes.
E como felicidade não anda sozinha, sermos amados, amar, trabalhar, sentir, viver intensamente, aprender, curtir, sorrir, chorar (faz parte também), andar de mãos dadas, dar carinho, receber carinho, olhar as coisas sobre um novo ponto de vista, sonhar acordado, realizar esses sonhos, comer, engordar, emagrecer, brigar, fazer as pazes..ufa!!!
E no fim do ano, avaliar tudo que passamos e Re – começar com novas diretrizes. Aprender com os erros, jogar fora o que fez mal, e colocar cor em tudo que fazemos, afinal a vida colorida é muito mais bonita e fácil de lidar.

Beijos e um FELIZ ANO NOVO!!

Generosidade

Por Márcia Castro

Na minha opinião, o melhor banho de Ponta Negra, em Natal, RN, onde passei minhas férias de janeiro/2016, é o do mar ao pé do Morro do Careca.  Ali, pode-se desfrutar de calmaria e também de algumas ondas mais amenas.

Aquele pedaço tem um dono: Seu João.  Ele monta o enorme guarda-sol branco, todo remendado, espalha algumas cadeiras de plástico e vende seus côcos aos clientes, enquanto toma umas doses de 51 com seus amigos. A cachaça desce com seriguela. Passam o dia todo assim.

Uma cliente diz que o achou mais abatido.  Ele responde sem hesitar:

– Essa cachaça tá acabando comigo.

Seu João tem uma clientela fiel: brasileiros, holandeses, portugueses, suecos…, todos o conhecem.  E faço parte dela há anos.  Recebe todos com um abraço caloroso e um sorriso largo de boas-vindas. Logo recolhe as sacolas e as pendura nas hastes do teto da sua barraca.

– Pode ir tomar seu banho tranquilo que aqui tá seguro.

Quando voltamos do banho, nos oferece uma cadeira e faz questão de “limpá-la” com um paninho tão imundo que muito provavelmente vai realizar o contrário do que se propôs. Sempre tento escapar dessa gentileza, mas ele acode logo dizendo:

– Não!, minha fia! Deixa eu limpar primeiro pra você.

Eu me entrego àquele cuidado morta de vontade de rir e agradeço com carinho:

– O senhor é um amor, Seu João, obrigada. ?

Espero ele se virar, jogo a saída de banho na cadeira e sento.

Passo a manhã inteira ali, ora tomando banho de mar, ora olhando o movimento e, muitas vezes, observando Seu João.  Fico admirada com o carisma dele.  É realmente encantador e atencioso.

Seu João é uma alma generosa. Não tem estudo nem dinheiro.  Mas já tem dentro dele o conhecimento de que a generosidade não depende de poder aquisitivo.  Está no sorriso banguelo e abraço com que recebe seus clientes; no paninho sujo com que “limpa” nossas cadeiras; no teto da barraca, lotado de sacolas que ele guarda com muito zêlo; no côco que ele fura e nos entrega satisfeito, perguntando:

– Tá doce ou não tá?

– Delicioso, Seu João, obrigada.

Seu João não sabe que sabe que a generosidade verdadeira se pratica com o coração.

 

Além do tempo

Por Márcia Castro

Faz tempo que não vejo novelas.  Muito tempo mesmo. Mas ontem acompanhei uma amiga no último capítulo de ALÉM DO TEMPO. A cena da conversa final entre mãe (Lilian Lemmertz) e filha (Paola Oliveira) foi muito legal. Ela mostra a lama em que vive quem não consegue seguir adiante e chafurda no ódio e rancor de histórias e mágoas passadas. Nao fecham ciclos. Não conseguem seguir adiante porque estão presas dentro de si mesmas , alimentando sentimentos e emoções ruins.

A filha, depois de muitas maldades, meio que se redime com um ato heróico que salva da morte a rival e o seu amor perdido.  Mas, dentro de si, luta contra a raiva e tristeza pela felicidade dos dois.

O papo entre as duas é muito legal e fecha de forma perfeita.

–  Não adianta, mãe.  Não adianta, eu sou ruim mesmo. Não tem jeito.

– Não fala assim.

– Não tem! Não tem! Sabe por quê? Porque quando eu penso no Felipe e na Livia e na felicidade deles, na felicidade do meu filho com a madrasta, sabe?, me dá um troço ruim aqui dentro.

– Não pensa, não pensa!!

(…)

– Eu não quero mais sentir ódio! Eu não quero. Eu tô cansada!

(…)

– Mamãe, por que que aqueles dois têm tanta sorte e eu não tenho?

E a mãe, com uma voz doce e amorosa, lacra com Toda sabedoria e simplicidade do mundo:

– Que tal você começar odiando menos e amando mais? Porque o ódio volta para a pessoa. … E o amor também!

União entre irmãs

Por Márcia Castro

Aos 30 anos, solteira, espírito livre, sem qualquer planos para casar, sem nem mesmo um namorado, decidi que iria ter um filho aos 36 anos – com ou sem marido. Aos 33, quis o destino que eu conhecesse aquele que seria meu futuro companheiro. Aos 34, fomos morar juntos. Aos 36, casamos oficialmente e tive a minha primeira filha, como havia “profetizado”. A decisão de ter a segunda gerou conflito. Meu marido queria que eu engravidasse quando a bebê estivesse com 6 meses; eu queria engravidar quando ela estivesse com 1 ano. Ficamos no meio do caminho e, quando ela estava com 8 meses, engravidei da segunda filha. Fernanda nasceu com 1 ano e 5 meses de diferença da irmã. Ambas foram muito desejadas e bem planejadas. De surpresa, só o sexo mesmo.

Ser mãe depois dos 30 permitiu-me aliar à maternidade uma maturidade considerável. Já tinha a vida bem estabelecida, casa própria, emprego estável, cabeça boa – modéstia à parte, muito boa. E só Deus sabe o quanto uma cabeça boa faz diferença na hora de criar filhos. Equilíbrio, paz de espírito, sabedoria nas decisões e enfrentamento de conflitos… enfim, tudo na medida. E, do seu lado, meu marido também participava de tudo na vida delas. Não faltava uma reunião escolar, atento nas enfermidades, enfim… pai. Passamos por inúmeros desafios, inclusive a descoberta de uma doença crônica – diabetes – em nossa filha mais velha. Lidamos com tudo de forma bem legal. Obviamente, como seres humanos normais, perdemos a paciência algumas vezes, mas sempre exceções, nunca a regra.

Pois é… ser mãe também significa possuir certas apreensões: doenças, acidentes… mas uma das maiores que eu sempre tive dizia respeito à união entre minhas filhas. Era MUITO importante pra mim que fossem muito unidas. A decisão de gerar uma tão próxima da outra também tinha origem aí: a pouca diferença de idade poderia diminuir os ciúmes de uma e de outra. Eu desejava para elas a mesma proximidade que eu e meu marido tínhamos com nossos respectivos irmãos. Quem tem um irmão presente e amoroso sabe o quanto isso é importante em todos os momentos de nossas vidas.

Contudo, à medida que cresciam, surgiam as briguinhas tolas que, logo mais, se transformavam em brigas mais sérias que exigiam intervenção. Eu sabia que havia momentos em que elas tinham que resolver sozinhas certos conflitos entre elas. Mas em alguns momentos eu ou meu marido tínhamos que intervir. E, ao fazer isso, necessário ter cuidado de não gerar ainda mais problemas demonstrando favorecimentos ou preferências por um lado, por mais que este estivesse certo. Porque eu sentia que elas meio que esperavam de mim ou do pai a tomada de partido. Assim, nas horas das brigas feias, quando uma delas, revoltada da vida, dizia pra mim: “Odeio ela! Odeio!”, eu respondia com muita calma na voz: “Odeia nada! Você a ama apaixonadamente e sabe disso. Está apenas com muita raiva e isso vai passar. Mas seu amor por ela não passará nunca!”. Voltava meu olhar a Deus e orava para que Ele resolvesse aquilo no coração de ambas. Quantas vezes rezei durante essas brigas!

Eu sempre aproveitava certos momentos “emocionais” para ressaltar o amor de uma pela outra. Assim, quando uma vez Eduarda quase morre de susto e salva Fernanda de um quase atropelamento por um ônibus, dei uma cutucada ao ouvi-la dizer, branca e tremendo: “Meu Deus, Fernanda! Quer me matar de susto??”

– Sentiu, amor?

– O quê?

– O tamanho da importância que sua irmã tem pra você?

Ela baixou a cabeça, calada e pensativa.

Ou na ocasião em que deixei Eduarda pela primeira vez deixar a cadeira da sala de projeção do cinema para ir comprar uma pipoca. Demorou um bocado. Nanda começou a sentir-se incomodada: “Mamãe, Duda tá demorando demais!”. Eu sabia que a irmã teria que sair e enfrentar a fila da pipoca lá fora, e que isso iria demorar. Expliquei isso a ela, mas senti sua inquietação. Daqui a pouco, olhou pra mim com os olhos cheios de água e simplesmente apavorada pediu: “Por favor, mamãe, vamos lá!! Por favor!!”. Nesse momento, vi a Duda entrando na sala. O alívio imenso nos olhos de Fernanda e a bronca na irmã: “Bolas, Duda, por que demorou tanto?!!! Quase morri de susto!” E a risada sem graça – mas orgulhosa – de Eduarda, ao ver o desespero da irmã. Olhei para Fernanda e disse baixinho no ouvido dela, que estava ao meu lado: “Pense no medo de hoje quando brigar novamente com sua irmã. Entende o tamanho do amor que sente por ela?”.

Por crescerem quase na mesma idade, muitas vezes se confundiam na semelhança. Passei a falar dos caminhos distintos que seguiriam na vida. Cada uma com suas escolhas, mas, ainda assim, felizes cada uma à sua maneira, e, mesmo se houvesse discordância, respeitando as escolhas uma da outra. Fazia também questão de destacar o quanto era importante poderem contar sempre uma com a outra pois, quisesse Deus que a ordem natural das coisas fosse obedecida, uma hora eu e o pai não estaríamos mais por perto, e uma seria o apoio da outra.

Bom…, nos últimos meses tenho notado as duas bem próximas. E, há cerca de um mês, tentando fazer Eduarda entender algo que ela terminantemente se recusava a aceitar – e eu sabia que eu estava certa, o que foi comprovado pouco depois -, vejo Fernanda entrar na discussão em favor da irmã. As duas vigorosamente se juntaram contra mim e me atacaram ferozmente, com aquele atrevimento e deboche típicos de adolescentes que pensam saber de tudo. Mesmo tomada de surpresa, olhei aquilo e, apesar do atrevimento, ri por dentro. Tive vontade de beijar as duas.  Todo o meu medo se foi. Antes, uma adoraria me ver dando bronca na outra. Voltei meus olhos a Deus e disse com uma felicidade enorme dentro de mim:

– Obrigada, meu Deus! Deu certo!

O dia que descobri que estava com Câncer

Olá

Hoje vamos começar o meu pé no caminho da descoberta de mim e de meu papel no mundo. Vou contar para vocês como foi o meu primeiro passo no meu caminho (deixando claro que só percebi isso há umas duas semanas..rsrs).

Ah! Vão desculpando o  texto tão longooo, é que eu falo pelos cotovelos e escrevo também, mas prometo que nos próximos textos vou me policiar.

E SENTA QUE LÁ VEM HISTÓRIA

Senta que lá vem historia

No início de 2013 comecei a sentir uma dor chata no meu seio esquerdo, sabe aquelas dores em período pre menstrual?  pois é, quando a menstruação ia embora levava a dorzinha chata junto. Em julho a dita dorzinha começou a aparecer a qualquer hora, já não tinha mais a companheira menstruação, ela resolveu que ia sernindependente…pesquisei em Dr. Google e achei zilhões de diagnósticos, nada conclusivo.

No dia 04 de agosto acordei com uma dor intensa na lateral do seio, levantei devagar para não acordar o marido, pois era um domingo e o descanso até um pouco mais tarde é mais do que permitido,  fui tomar banho, deslizei a mão no local da dor e pimba! tinha um caroço (do tamanho de uma azeitona), tomei um choque e pensei: cara vou morrer…

Pausa:  tive caso de câncer de mama na família e vi minha tia lutar 13 anos por uma cura que infelizmente não veio.

Acordei meu marido e pedi para ela passar a mão no local, e o caroço continuava lá…eu queria uma outra opinião vai que eu estava imaginando…sou dessas rsrsr

Bom, quando a minha filha acordou pedi a ela para olhar também vai que meu marido estava com sono e foi induzido por mim a achar o que eu achei, sabe lá.

E ela disse ai mãe pode ser displasia, pois a senhora vai menstruar semana que vem lembra?

Ah! era verdade a companheira esquecida!

Não tinha jeito a dar então segui a programação do domingo, e do restante da semana, mas sempre apalpando e pensando:  será que esse caroço vai mesmo embora depois da menstruação?

No sábado seguinte, era meu aniversário e minha mãe resolveu fazer um bolinho e almoço para chamar alguns amigos (é gente , mãe acha que sempre somos crianças e ainda chamam os amigos para comer um bolinho no niver…bendita sois nós mães), e temporariamente me esqueci da dor e do carocinho.

Na segunda feira, resolvi que não ia esperar mais nada, marquei uma ultrassom da mama e chegando na clínica, esperei um pouco (médico particular é outra coisa né?), a secretária me chamou e me instalou na cama, o médico fez as perguntas de praxe e quando deslizou aquele treco no gel gelado, fez uma cara de susto. Confesso a vocês que fiquei com dó dele, tão novinho e tão bonitinho, acho que ele nunca tinha visto nada parecido ou então ficou sem jeito de me dizer o que viu, nunca vou saber.

Ele disse:  é uma “íngua” (As ínguas, chamadas cientificamente de Adenite, são gânglios linfáticos que aumentam de tamanho por causa de uma infecção e/ou inflamação. Elas se manifestam através de um carocinho que fica sob a pele e dói quando é apalpado. Geralmente, as ínguas surgem na virilha, na nuca e na axila, mas podem surgir em outras partes do corpo, por onde estão distribuídas – BY GOOGLE).

Daí eu disse íngua na mama? Pq?

Ele: ah! Não deve ser nada demais, mas aconselho a senhora a procurar um mastologista… ah então tá! Saí da clínica me perguntando o que eu iria fazer? Pois não tenho plano de saúde e sabemos que tudo pelo SUS demora muitooo  para se resolver (depois descobri que não é bem assim, pelo menos para mim não foi).

Entra minha mãe na história, pausa: só para vocês saberem minha mãe é uma senhorinha de 79 anos, mas ninguém diz, ela é hiper, mega, power ativa, faz e resolve tudo dela e tem umas ideias brilhantes e muitas vezes se antecipa tanto que nem deixa a gente raciocinar direito)., Ela marcou uma consulta com a ginecologista dela, que viu meu ultrasom, me apalpou e me deu uma guia para o CICAN (é um centro especializado em oncologia)…pronto tudo resolvido, ia fazer minha busca pelo diagnóstico e tratamento pelo SUS, (ufa! Já estava preocupada), e me deu outra recomendação, quando chegar lá procura atendimento com Dr. Ednaldo Sanches, ele é o bam bam bam da mastologia (palavras dela).

Na manhã seguinte fomos cedo (eu e mamys, minha companheira fiel), para fazer uma triagem e ser ou não admitida pelo CICAN. Quando a mocinha me chamou, olhou minha ultrassom e disse olha só temos vaga amanhã para Dr. Ednaldo Sanches (cara meu queixo quase caiu, vejam como o universo conspira a nosso favor é só direcionar a energia e a atenção), e eu com minha cara de nem sei, disse clarooooo.

No dia seguinte, olha eu de novo no CICAN, já sem minha fiel escudeira (dei um drible nela, pois queria essa consulta só eu e Dr. Ednaldo, gente ele é um fofo). Ele olhou minha ultra, me apalpou (com todo respeito tá) e disse: por esse exame a suspeita é câncer…fiquei meio aturdida, não vou dizer a vocês que não tinha pensado na possibilidade, aliás desde o primeiro momento lá no banho (lembram?) eu sentia que eu estava com câncer de mama. Continuando com o fofo, ele me deu unas trocentas guias de exames pre operatórios para fazer e trazer de volta os resultados. Mas uns 20 dias de exames e ansiedade e retorno para ele.

Ele perguntou: para a senhora é ruim ir para o Hospital Aristides Maltez?

E eu: claro que não dr.

Detalhe: O hospital a que ele se referia é referência em oncologia,  e é no mesmo bairro que eu moro (olha como sou uma garota de sorte).

Bom antes de sair de lá, tive que passar pela assistente social, pois tinha um zilhão de papeis para assinar, e ela me disse Sra. Teomar, não se preocupe, o que a sra. tem não é  nada maligno pois  câncer não doi.

Hum sei, então tá!

Fui ao Hospital, fiz uma nova triagem, e minha cirurgia foi marcada para o mês de dezembro.

Só para situar vocês, no dia que saí do CICAN com a primeira impressão do médico, liguei para meu marido e disse o que o médico achava, ele ficou mudo do outro lado e eu:  marido, você está ai?

Ele sim, vai ficar tudo bem. Mas  é só uma suspeita não é?

Eu: ele disse que sim.

Ele: então tá, vá para casa.

Fiquei meio sem saber o que fazer. Não ia trabalhar naquele dia, pois pedi dispensa, pois não sabia que horas iria estar disponível.

Bom acabei pegando um ônibus e indo para casa. E aí fui pensar nas possibilidades.

Pesquisei tudoooo que podia e acabei me tornando Oncologista diplomada pelo Dr. Google….rsrsr…

Pausa: Algumas pessoas dizem que não é bom fazer tais pesquisas, e teve horas em que eu achei isso mesmo, masss foi o que me trouxe uma certa tranquilidade e medo também para lidar com a situação, bom fica a critério de cada um o caminho a seguir…retorno da pausa…

Quando voltei para Dr. Ednaldo Fofo, ele marcou minha cirurgia para dia 12/12/13, fiz uma punção para biopsia naquele mesmo dia e fui para casa ajeitar minha vida. No dia 11/12 iria fazer uma linfocintilografia pela manhã ( detecção pré-operatória do linfonodo sentinela no câncer de mama, caso ele esteja contaminado todos os outros seriam retirados e temos o esvaziamento total da axila, eu não precisei). Organizei tudo, fiz almoço, achando que eu iria fazer meu exame, voltaria para casa e retornaria à tarde para o internamento. Nada disso senhoras e senhores, cheguei cedoo, fiquei na espera, e acabei fazendo meu exame as 15:00 e subindo para o internamento as 17:30. Juro para vocês que só pensava no meu feijão deliciosooo que ficou lá para meu almoço, peninha!

Fiquei por lá na enfermaria com mais 3 pessoas, a noite não consegui dormi pois fazia muito calor e a ansiedade estava me matando. Lá pela madrugada, pela milésima vez olhei as horas e fui ao banheiro e para minha surpresa a minha menstruação chegou. Aff, aff, aff..ela adiantou mais de uma semana. Entrei em pânico, pois na minha cabeça eu achava que não poderia fazer a cirurgia menstruada. Por isso que cada vez que acontece algo inesperado, procuro não entrar em pânico, imaginem a confusão dentro de mim, pensei zilhões de coisas. A minha cirurgia seria remarcada para sei lá quando, iria atrasar o tratamento e todo o meu planejamento teria que ser reformulado, nãooooo!!!

Quando a enfermeira chegou pela manhã, disse logo a ela, já com cara de choro!!

E ela com a maior calma do mundo me disse: não se preocupe, quando as meninas vierem lhe buscar, coloque o absorvente sem a calcinha e pronto. Não interfere em nada.

Como assim???  Um misto de alívio e uma sensação de: como sou besta se apoderaram de mim…rsrsr

Quando vieram me buscar ao meio dia, saí como me foi instruído, me sentindo estranha, mas com cara de que estava tudo bem. Dei um beijo em minha mãe (que ficou aos prantos), minha cunhada e meu marido (que me olhou com uma cara de por favor volte!)

E lá vou eu, de maca olhando para o teto (é uma sensação tão estranha de desamparo), porém eu estava tranquila tinha certeza de que tudo iria dar certo. Chegando na porta do centro cirúrgico, tive que ficar esperando terminarem de arrumar e vi o Dr. Ednaldo, que me deu boa tarde e me perguntou se sabia o nome do meu médico e qual a cirurgia que eu iria fazer (é uma pergunta de praxe, acho que para ver se você está consciente do que vai fazer). Dei as respostas e perguntei a ele se havia saído o resultado da biopsia. Daí ele disse, ah você quer saber? E eu: claro que sim. Ele abriu o prontuário e me disse é câncer. Mas isso eu já havia lhe dito. Hum tá, mais me disse também que não tinha certeza,

Entramos no centro cirúrgico, e toda aquela preparação. Me apresentou ao anestesista, enfermeira e a auxiliar, colocaram uma máscara para eu respirar e eu os ouvi falando sobre futebol e…

Ouvi a enfermeira me chamando. Gente acabou, que bom dormir como um bebê…rsrsr

Peguntei a ela que horas eram e se tinham esvaziado minha axila. Eram 16:30 e não esvaziaram..ufa que ótima notícia.

Demoraram mais um pouco e me levaram de volta ao quarto. No caminho vi meu marido com um olhar de alívio e a enfermeira dizendo pronto sr. Ela já está aqui. Aí me disse baixinho achei que ele iria furar o chão de tanto andar para lá e para cá. Minha filha tinha chegado para passar a noite comigo, já que em enfermarias femininas não ficam acompanhantes masculinos.

Estava meio zonza e com uma imensa vontade de fazer xixi. Mas ele não queria sair de jeito algum. A enfermaria tinha visitantes das outras duas pacientes e eu com soro, com dreno e curativo, mas sem nenhuma dor. Meu marido foi buscar uma aparadeira (aquele treco em que a gente faz xixi no Hospital) colocou, e nada! Gente eu não conseguia fazer minha bexiga entender que ela estava livre para expulsar o líquido dela para fora).

Já estava nervosa, quando a enfermeira chegou para medir minha pressão e me perguntou se eu havia feito xixi. Eu disse que queria mas não saía. Ela me disse olha feche os olhos, pense que está em casa, esqueça que tem outras pessoas aqui e relaxe.

Tentei esse exercício por uns cinco  minutos, de repente começou a sair, e pensei que fosse inundar o quarto…..ahhhh que alívio, as enfermeiras sabem das coisas não é..rsrsr

Anoiteceu, fiz minha refeição e dormi, acordei, dormi acordei e voltei a pensar no meu feijão…rsrsr lembram que deixei ele pronto no dia anterior??

Pela manhã, um médico passou para me avaliar e dar algumas instruções e me deu alta, e lá pelas 10:00 fui para casa. Ah como é maravilhoso voltar para casa, e comi meu feijão.

Retornei  na semana seguinte para drenar líquido (fiz isso por mais 3 x), passei pela revisão e em fevereiro comecei a quimio.

Fiz 16 aplicações, onde nas 4 primeiras com intervalos de 21 dias, pensei que fosse morrer de tanto enjôo. E as demais com intervalos semanais onde os efeitos foram mais suaves (não vou detalhar o tratamento, se quiserem saber algo específico podem me enviar um email teomarlucena8@gmail.com). Mas digo a vocês que fiz, quimio, radio, fiquei careca, usei lenços, depois me enchi deles e andava com minha careca passeando pelo mundo..rsrsr, minha menstruação foi embora na primeira aplicação de quimio e nunca mais voltou (achei ótimoooo) e tudo passouuuu.

Depois disso já fiz duas revisões com mamografia e ultra som e esta tudo bem.

Esse foi o primeiro passo nesse caminho que vamos começar, que é o de descobertas e evolução, pois acreditem que cada passinho que dou me fazem não querer mais voltar ao meu estágio inicial. Se erro, procuro fazer de outro jeito e quando acerto me dá uma sensação tão boa e inexplicável que me pergunto porque demorei tanto para fazê-lo..rsrs doido não é?

Espero que vocês tenham gostado e se quiserem podem e devem tecer comentários. Se eu puder esclarecer algo ou se vocês quiserem compartilhar suas experiências estou sempre por aqui.

Bjsss e fiquem em paz!!

 

 

 

 

 

 

 

 

Me apresentando

Olá,
Meu nome é Teomar Aragão, mas podem me chamar de Teo. Meu nome é unissex, na verdade nunca encontrei nenhuma outra pessoa que tivesse o mesmo nome que eu e fosse do sexo feminino, enfim tenho 47 anos, casada, mãe de um casal de filhos, secretária, dona de casa, amo natureza, bichos, flores, mar, céu azul, dormir, comer. artesanato, reciclagem e conversar…Sou amiga da Ritinha, essa mulher extraordinária que através dos seus textos consegue fazer com que vivenciemos experiência incríveis.
Não sou escritora, mas ela com seu coração do tamanho do mundo me emprestou o espaço para que pudesse colocar minhas idéias em ordem. Sei que muita gente vai se identificar com meus pensamentos, pontos de vista, sentimentos.

Somos parte de um todo, mesmo sendo diferentes, somos iguais, não é interessante isso?
Tenho muitas verdades em minha vida, muitas delas que foram se transformando de acordo com as experiências do dia a dia. Gostaria se me permitissem de compartilhar com vocês minhas idéias, reflexões, opiniões, confusões e questões.

Flores no jardim
Estou aberta para o mundo nesse exato momento, estou me libertando das amarras e tentando sair da minha zona de conforto, buscando sempre o caminho certo e a vontade de ser FELIZ.
Bjssss

Banda Blitz em Jacksonville

 

IMG_4698

Cartaz do Show da Banda Blitz para Jacksonville <3

Banda Blitz

Banda Blitz desembarcando em Jacksonville – Dia 17/11/2015 as 9:35AM

                 Escrever sobre um sonho realizado pode parecer fácil, mas não é. Existem alguns sentimentos e emoções que não conseguimos descrever, não conseguimos passar para as pessoas, algo que existe dentro de nós que transborda, o nosso coração pulsa mais rápido, os nossos olhos brilham e as frases ficam incompletas. Trazer a Banda Blitz para Jacksonville não foi fácil, foram tantos obstáculos, o financeiro, o profissional, o emocional, foram tantas mensagens pelo Whatsapp que muitas vezes me sentia uma “chata” com tanta insistência, foram tantas buscas por locais para o show, foram tantas negociações, foram tantos “nãos” que algumas pessoas iriam desistir, mas continuamos aqui, firmes no pensamento positivo que um dia iria sair, e saiu, da forma mais doce e mais maravilhosa que poderia ser.

E numa entrevista do Evandro Mesquita aqui nos Estados Unidos, ele conta um pouquinho de como vieram para Jacksonville: “Miami e Orlando são as cidades americanas na Flórida que normalmente recebem shows brasileiros. Será a primeira vez que a cidade de Jacksonville receberá um show brasileiro, como surgiu a ideia de levar o show para essa cidade? Pois é… Foi através do Instagram, a @ritatavares mandou mensagem dizendo da intenção de trazer a Blitz para Jacksonville. Tentamos tanto que agora conseguimos. Vamos matar a saudade e com muito prazer, mostrar que música boa não tem prazo de validade!”

Os anos 80 foram os melhores em termos de musica, abriu portas para o melhor do Rock Brasileiro, foi o começo do sucesso desta Banda incrível de nome Blitz. As pessoas dizem que o amor é puro, doloroso, doce e terrível – todos de uma vez. A verdade é que o amor é uma necessidade básica na vida de todos nós, precisamos ser amados, precisamos amar, precisamos acreditar no melhor da vida, e musica boa faz isto, nos leva ao melhor da vida, nos leva ao amor.

A Banda Blitz desembarcou aqui em Jacksonville dia 17 de novembro, as 9:30 da manhã, dia lindo com um sol maravilhoso. E lá fui eu buscar a banda no aeroporto, estava nervosa pois nunca tinha dirigido uma van de 15 lugares, estava ansiosa para abraçar cada um e agradecer por estarem aqui. Cheguei no aeroporto no horário, mas por causa do carro grande que não estava conseguindo estacionar, quase bati num outro carro do lado, precisei sair da van e pedir para um amigo me ajudar a estacionar. E comecei a rir da situação, logo em seguida recebo uma mensagem do Empresário, estava atrasada 10 minutos para pegar a banda, expliquei o acontecido e começamos a rir. Abracei cada um emocionada, Elieser, Rodrigo, Andrea, Nicole, Claudia, Rogerio, Billy, Juba, Davi, Robhinson, Mafram, Roger, e por ultimo, dei um abraço apertado no Evandro, agradeci a ele por estar fazendo a abertura da temporada Blitz aqui em Jacksonville.

Pela minha voz no video notem que estou bem ansiosa…

Depois das apresentações fomos para a van, estávamos em dois carros grandes, um para a equipe e o outro para as malas e equipamentos. Logo em seguida fomos para o hotel, pude ir conversando com eles e mostrando um pouco da cidade, continuava nervosa como fã, estava diante de uma banda que faz sucesso a 30 anos, estava doida para dar aqueles “gritinhos e chiliques” que a maioria das fãs fazem, mas me controlei, tinha que relaxar e sorrir, eles estavam aqui, iriam fazer um show sensacional e teríamos dois dias para bater papo e rir juntos.

IMG_5007

Juba olhando todos se conectando com o mundo… :)

IMG_5008

 

IMG_5339

Filipe, meu braço direito, fazendo uma selfie com a Banda antes de sair do hotel

12307499_424048541125864_9051121630844858878_o

E na porta do hotel, a plaquinha simples: Sejam Benvindos Banda Blitz

Eles deixaram as malas no hotel e saímos, passamos no Walgreens pois todos tinham que comprar os adaptadores para o celular, lógico, o Brasil é o único com um adaptador daqueles que não existe em lugar nenhum. Dentro da van eram conversas, eram brincadeiras, e comecei a relaxar, o momento fã já estava passando e começou a admiração pelas pessoas.

IMG_5012

Juba, Robhinson, Davi e Rodrigo no Rodeo Grill

IMG_5011

Andrea, Evandro e Juba no Rodeo

IMG_5010

Roger, Filipe, Andrea, Mafram no Rodeo

Fomos almoçar no Rodeo Brazilian Grill, eles fecharam o restaurante para a banda, assim poderiam almoçar e conversar tranquilamente, o serviço estava impecável, e saímos dali satisfeitos com a receptividade de todos os funcionários e donos, Mateus, Natalia, Giovani e Fabiany foram sensacionais.

IMG_5013

Claudinha no Rodeo Grill

 

IMG_5014

Elieser, Rogerio e Billy no Rodeo Grill

IMG_5015

Rogerio, Billy, Nicole e Davi

IMG_5016

Billy e Nicole no Rodeo Grill

IMG_5021

Foto da banda com a ganhadora do premio: Almoço com a Banda – Euza

12239201_424048687792516_6654169671186125733_o

Evandro me ensinando a tirar selfie… Eu e Andrea

IMG_5026

Selfie pronta: Evandro, eu e Andrea

A tarde fomos para o Towncenter, cada um queria comprar algo, ver as novidades, apreciar as lojas e o clima que estava perfeito, depois de andar algumas horas, paramos numa sorveteria, descansamos um pouco e voltamos para o hotel.

12309738_424049394459112_807313722805186273_o

A banda no Towncenter passeando… :)

A noite fui buscar a equipe toda, iríamos jantar no Terra Gaúcha Steakhouse, uma churrascaria Brasileira que recebeu a banda de braços abertos, com todo carinho e atenção, agradeço ao João, Alex e Rodolfo por tudo. Saímos da churrascaria felizes, passamos um dia divertido, recebendo o carinho e apreciação de todos os Brasileiros aqui em Jacksonville. O momento fã já tinha ido embora, estava curtindo agora o momento com todos da banda.

IMG_5052

Banda no Terra Gaucha – Juba tirando fotos

IMG_5056

Alex, Evandro e Joao

IMG_5059

Duas Andreas que se encontraram… <3

IMG_5060

Elieser e Evandro

IMG_5061

Banda no Terra Gaucha

IMG_5062

Claudinha, Rogerio, Roger, Davi

11209442_424049024459149_1357149868705001093_n

Andrea, Evandro, eu e Andrea

3145691fb8c7f6ff83c755d34f36231f

Eu no meio das Andreasssss…

Voltei para casa feliz, estava realizando um sonho de muito tempo, percebi que quando admiramos uma pessoa ela se torna uma energia para nós, renova muitas coisas, nos permite atingir os objetivos com mais facilidade. O respeito, admiração, carinho e amor pela Banda Blitz revigorou a grande maioria dos Brasileiros aqui em Jacksonville, iríamos ter o primeiro show Brasileiro na cidade, e todos puderam desfrutar a motivação e a inspiração da equipe. Um agradecimento especial ao empresário da Banda, Elieser Lemos, pois sem a motivação dele, nada teria acontecido, sem a paciência dele em me ajudar, não teríamos conseguido. Hoje posso dizer que todos fazem parte das minhas orações e das minhas alegrias no dia a dia. Foi o melhor presente que recebi este ano.

Chegou o dia tão esperado, dia 18 de Novembro, dia do show, e como não poderia ser diferente, estávamos todos ansiosos, mas ainda teve um “tempinho” de conhecer um pedacinho de Jacksonville, e o Evandro resolveu ir a praia, que por sinal, é linda e cheia de encantos.

IMG_5064

Evandro passeando na praia em Jacksonville

IMG_5067

Momento Evandro e Juba tirando onda com as esculturas… <3

Fomos almoçar no local do show, um lugar incrível e lindo, o Roger (técnico de som da banda) começou a preparar o palco, juntamente com o Davi e Robhinson, e de longe víamos todo o equipamento sendo colocado com cuidado, com atenção e carinho.

12240350_1700661653488162_7872320098460898728_o

Roger concentrado no trabalho

11872208_1700661470154847_3381726108335445052_o

A produção preparando cada detalhe

11058661_1700660930154901_8195758665523397939_o

Momento foto no Latitude 360

12038829_1700638353490492_5408482075910918045_o

Summer, Andrea, Evandro e Juba – Latitude 360

IMG_5068

Claudinha – Latitude 360

IMG_5070

Billy e Evandro – Latitude 360

IMG_5078 (2)

Andrea, Mateus e Evandro – Latitude 360

 

12265575_1700682936819367_5255952638285815064_o

Evandro e a nossa fotografa Ilma Hardy

12273608_1700638866823774_2401846725465587243_o

Evandro, nossa fotografa Walkiria e Andrea

12244268_1700639643490363_6137998568438042828_o

Banda na porta do Latitude 360

12239373_1700640060156988_876698848470998375_o

Juba e eu – Tira uma foto minha pleaseeee!!!

12273791_1700661200154874_2412080984023263223_o

Evandro e Juba na porta do carro

12238460_1700661146821546_7467891682725895273_o

Andrea, Juba e Evandro

12240296_1700661580154836_8397099056546078445_o

Vamos???

A Banda fez a passagem do som a tarde, e com os olhos parados e o coração pulsando rápido, percebi que o show seria sensacional, percebi o motivo real desta equipe fazer sucesso durante tanto tempo, a dedicação e amor pelo que fazem.

 

Todos nós temos o nosso próprio caminho, aquele caminho onde experimentamos etapas diferentes, com estratégias pensadas na hora, onde encontramos o que funciona melhor para nós. Vou ser mais direta, amei cada minuto com a Banda, cada um com suas qualidades, cada um com seu jeito de seguir a vida, cada um com seu dom maravilhoso, cada um ajudando e incentivando a fazer o melhor. O Evandro tem a musica no coração, tem o dom artístico cravado em seu peito, ele faz o seu melhor, e teve a chance de mostrar aqui em Jacksonville sua paixão, suas prioridades, seu carisma, valoriza cada detalhe, tem uma opinião determinada e um balanço dos seus verdadeiros valores. Fazer parte desta produção aqui em Jacksonville foi sensacional, e com a ajuda de pessoas maravilhosas, Filipe, Nielsen, Natalia, Mateus, Giovani, Fabianny, Debora, Simone e Marcos, Ilma (a nossa querida fotografa), Alex, Rodolfo e Joao, Dela, Priscila e Joe, Walkiria, Juliana, Raquel e Planeta Silas, tudo foi possível.

O show começou as 10:00 pm, e com um som sensacional, Evandro Mesquita e sua Banda entraram no palco, fizeram algumas pessoas chorarem de emoção, e todos estavam ali com o mesmo propósito, aproveitar cada segundo do show, cada segundo daquele momento único, de ter um primeiro show aqui. Foi sensacional! E durante 1 hora e 20 minutos, cantamos, dançamos e nos emocionamos… O show acabou, e ver a felicidade no rosto de cada Brasileiro que foi era algo magico. E todas as fotos e filmagens foram feitas por nossa querida fotografa Ilma Hardy, porque eu estava ali apreciando aquele momento lindo.

12244581_1700667193487608_2404456652662937026_o

12238366_1700666003487727_8072383350496439146_o

12239422_1700667486820912_2838510408904595742_o

12273727_1700667516820909_6606694647626549096_o

12238493_1700667556820905_4172414955614655549_o

12265801_1700667596820901_5816007346182877715_o

12244414_1700667673487560_4968259148524373581_o

12239412_1700666460154348_7272277023078057079_o

12244352_1700668276820833_8705445449497367544_o

12238054_1700668206820840_7317085137666139295_o

12265960_1700668113487516_4748028060877953434_o

12240191_1700667103487617_203136570959708151_o

12273722_1700666100154384_3793187103328312710_o

12239163_1700668253487502_6805613209473871784_o

12240894_1700668233487504_846468188573274160_o

12244707_1700668656820795_6899247839941666858_o

12244707_1700668756820785_2573527234418618368_o

12248240_1700669776820683_5775255185969388768_o

11051802_1700669850154009_7184895487333162880_o

12248043_1700670133487314_3710176813617124608_o

12265792_1700670483487279_7611992522680685473_o

1890456_1700670670153927_2455518601745849805_o

12265617_1700670940153900_6386569070768731360_o

12244329_1700671170153877_1339275318409954173_o

12095134_1700671266820534_7435170877494525311_o

12244422_1700671610153833_2844928497940199989_o

12273653_1700674013486926_1327517428380776481_o

11057643_1700674063486921_3235180998296620976_o

10469548_1700674090153585_7485425096954644561_o

12239304_1700674213486906_4609961658017215461_o

12247975_1700674406820220_2313772255365992377_o

12281859_10153718190593838_223893097_o

12268806_10153718280248838_651332831_o

12282093_10153718278893838_784551098_o

12255237_10153718279563838_744494565_o

Vergonha ao ser chamada no palco… Afff!!

12265550_424094234454628_4882173542164349658_o

Bolo lindo que uma fã chamada Juliana fez para a Banda… <3

IMG_5115

IMG_5112

12313675_424094004454651_8334109094574434580_n-2

12294775_424094364454615_6194109944613164481_n

Juba, minha filhota Julia e Filipe

12238003_1700667040154290_6325541146455449264_o

12294791_424094077787977_3785516352808883068_n

IMG_5254

Abraço de agradecimento por tudo!!!

IMG_5337

IMG_5104

IMG_5098

IMG_5173

IMG_5250

12238150_1700925196795141_7797184714653532165_o

12227062_10153361955594353_156445770705493320_n

9d7a8afd5d209d005f546515ea5dfd81

Obrigado querida Priscila por tudo acontecer… <3

 

 

Construímos planos, sonhos e agimos, muitas vezes é difícil passar a parte do planejamento, mas seguir é o passo mais importante, não desistir é a melhor parte. Muitas pessoas reclamam da vida, reclamam de pequenos pedaços de tempo gasto, mas, nossos pequenos pedaços de tempo têm resultados maravilhosos quando conseguimos ver detalhes dos nossos sonhos realizados, conseguimos alimentar a nossa paixão.

Despedir deles no dia 19 de novembro foi difícil, o choro engasgado, a vontade de seguir com eles, mas valeu tudo.

IMG_5158

IMG_5169

IMG_5168

Sonhar e realizar nos faz bem, conseguimos conquistar aquela sensação de estarmos completos. Vale a pena lutar por tudo que acreditamos, vale a pena o esforço, o cansaço, as criticas… Porque as alegrias são maiores. O amor pelos nossos sonhos não podem ser definidos em palavras, temos que expressar em forma de gratidão. Fazer outras pessoas felizes, expressar como eles são importantes em nossas vidas, o sorriso e a alegria em nossos olhos dizem o quanto somos felizes. A gratidão pode ser apenas uma pequena frase, mas pode ter um impacto muito grande na vida de alguém:

 

Obrigado Banda Blitz por tudo!!! Jacksonville espera o retorno de vocês em breve.

 

 

12265941_424108641119854_3283590160744829264_o

Pandebonos – Pao de Queijo Colombiano

 

Pertinho

O nome é um pouco complicado, Pandebonos, mas o sabor é maravilhoso. O pão de queijo Colombiano me deixou encantada, alias, todos aqui em casa ficaram… E pra ser muito sincera, sou louca com pão de queijo, mas achei esta variação Colombiana muito melhor que o nosso. Não se usa leite, óleo, e dependendo do queijo que você colocar na receita, o ovo fica de fora.

IMG_8012

FullSizeRender-1

 

A minha massa nao preciso de usar o ovo, pois conseguiu atingir a consistência adequada.

 

FullSizeRender-2Fazer as bolinhas…

FullSizeRenderSimplesmente MARAVILHOSOOOOOO!!!!

 

 

Panquecas Saudaveis

Desde de Dezembro de 2014 venho tentando mudar algumas coisas na minha alimentação e na alimentação dos meninos. O fato de ter ido numa Endocrinologista, e ela ter dado muitas “broncas”, me alertou para muitas coisas… E desde então, venho tentando adaptar algumas guloseimas da melhor forma possível. Ter ido numa profissional maravilhosa mudou muito o que eu pensava, vejo as pessoas tão rígidas com dietas, e colocam a família neste ritmo também, fazendo com que as crianças deixem de ser crianças, lógico que temos que controlar, ensinar, incentivar, mas estar o tempo todo controlando, acaba tornando a criança uma “chata” nas festinhas e encontros.
E hoje vou falar da Panqueca, que eu amo, a tradicional é claro, mas, com as novas regras e mudanças, fui atrás de mudar alguns ingredientes e experimentar cada uma delas. Depois de pesquisar, olhar ingredientes, experimentar algumas, fiz dois tipos que panquecas: a Panqueca de Proteínas, confesso que não gostei muito do sabor, é o tipo de Panqueca que você come apenas uma, a não ser que já tenha se acostumado com o sabor da proteína, ou goste, mas o meu paladar não agradou muito. E a Panqueca de banana, esta eu amei de paixão, adorei mesmo. Vou colocar abaixo as fotos e receitas e ai me digam depois qual que acharam melhor

Panqueca de proteinas:

IMG_7009

– 01 Scoop de proteina (06 colheres) : eu usei o Whey Isolate de chocolate

– 01 Ovo

– 01 Banana amassada: Misturar todos os ingredientes, levar numa frigideira ante aderente e que esteja quente, fritar, e colocar a cobertura de sua preferencia. Eu usei o syrup natural.

IMG_7004

IMG_7005

IMG_7007

IMG_7008

 

Panqueca de banana: Esta eu amei!!!

IMG_7500

– 01 Ovo inteiro

– 01 gemas

– 01 Banana amassada: Misturar todos os ingredientes, levar numa frigideira ante aderente e fritar, eu nao tirei a foto nesta etapa, e na minha também acrescentei 01 colher de Chia. E para a cobertura, coloque as as frutas e o que voce gostar. Fica uma delicia!!!

IMG_7498

IMG_7499

IMG_7500

“Se os Americanos agissem como os Brasileiros”

Quando vi este vídeo a primeira vez fiquei chateada, depois veio a pausa para refletir, e logo em seguida a duvida, e principalmente por ter uma opinião formada sobre tudo, por ser debochada com tudo, inclusive comigo mesma.

Como Imigrantes, sofremos preconceitos aqui sim, como em qualquer lugar do mundo, e isto não é novidade para ninguém, eu já fui ofendida numa loja de departamentos aqui por ser Imigrante, e em outros locais também como hospital e escola, já fui criticada por algumas pessoas da “família” por falar o inglês com sotaque forte. Então, pensando por este aspecto, não posso ficar chateada com o vídeo, mesmo porque, no Brasil existe e temos um histórico de deboches e piadinhas com estrangeiros também, assim como temos o lado de tentar “falar” e “ajudar” o estrangeiro.

Quando assisti pela segunda vez, fui automaticamente levada, em lembranças, para as cidades turísticas mais famosas que visitei aqui nos Estados Unidos. E em cada uma delas tive experiências ruins com Brasileiros, e não posso e nem vou generalizar este aspecto, mas quando se via confusão, podia-se ter quase que a certeza, eram Brasileiros. E isto carregamos conosco, somos um povo que fala alto sim, e qual o problema em se falar alto? Somos um povo que gosta de festa, e qual o problema de ser “festeiro”? Somos um povo acostumado com o “jeitinho” de passar a perna no outro, somos um povo acostumado a falar mal de tudo e de todos, somos um povo onde a Religião é um rotulo enorme estampado em nosso corpo, somos um povo que briga por 20 centavos de aumento numa passagem, mas não assume os erros de parar o carro numa vaga de idosos, não assume o erro de burlar as leis, não assume as dividias no Banco adquiridas em roupas, carros e moveis para mostrar poder (e olha que conheço Brasileiros aqui também que fazem isto, dão calotes em Cartões de Credito, em financiamentos e contas, acham engraçado e passam esta mensagem para os filhos), não assume o descaso das autoridades em tratar assuntos tão sérios como a segurança, educação e saúde… Espera aí, nisto tudo que falei sobre o Brasileiro existe um problema sim, e deve ser falado, deve ser tratado, deve ser reeducado.

Somos IMIGRANTES, e estamos sujeitos sim as leis, aos costumes e as regras do país onde decidimos viver, independente do status ou termo “legal” ou “ilegal”, temos que seguir as normas, gostando ou não.

Quando cheguei aqui, achava terrível ter que desligar o som e a bagunça na minha casa às 10 da noite, com o tempo percebi que isto era o que eles faziam e eu deveria estar seguindo esta norma. Quando moramos no Brasil, meu filho mais novo estava com 09 meses, mais ou menos, e meu vizinho resolveu dar uma festa na casa dele, meu filho ficou a noite toda chorando com o som ligado no volume máximo ate as 6 da manhã, e simplesmente, nada aconteceu, mesmo com tantos telefonemas para a policia. Já fui em festas na casa de alguns políticos em Brasília, onde bandas famosas tocavam até as 5 da manhã, e você podia escutar o barulho a quilômetros de distancia, e nada acontecia, ops, apenas uma notinha no dia seguinte nos jornais, mas o destaque era o dono da festa e a sociedade de Brasília, com belas mulheres e homens da noite.

Como posso ter raiva deste vídeo sabendo que o Brasileiro arruma confusão sim, porque na realidade, quer ser lembrado por algo, nem que seja da pior forma. Mas, ao mesmo tempo, existem sentimentos diferentes dentro de mim, dúbios, alguns Americanos definem as pessoas por raça, logo depois vem a nacionalidade, e não vou generalizar, mesmo porque não posso, são duas situações diferentes. O vídeo fala de forma generalizada da nossa NACIONALIDADE e não da nossa RAÇA, o que é bem diferente, ele esta criticando uma NAÇÃO.

No texto tirado do site http://arquivo.geledes.org.br/racismo-preconceito/defenda-se/12905-o-que-e-raca, explica de forma clara o que é Nacionalidade e Raça: “Raça tem sido comumente confundida com nacionalidade, ( lugar de nascimento ) herança linguística e religião. No seu sentido biológico apropriado, ela não se refere obviamente a nenhuma destas classificações. Por exemplo, a palavra “Americano” se refere a uma pessoa que nasceu na América. Isto é uma identificação de nacionalidade e, portanto, não deveria ser usada para classificar uma pessoa pela raça. Uma nação é muitas vezes formada por pessoas de muitas raças. Alaskianos, Esquimós, Índios de Oklahoma, Negros do Mississipi, Caucasianos da Nova Inglaterra e diversos povos do Havaí são todos Americanos. Muita da confusão entre raça e nacionalidade advém do fato de que as pessoas das nações conhecidas são frequentemente da mesma raça e, em muitos casos, a mesma palavra tem sido usada para designar a língua e a nacionalidade, bem como a raça. Os Latinos também não são uma raça. Eles são pessoas que falam uma língua, cuja herança linguística é o Latim. Não é uma herança característica falar uma língua particular; todas as línguas são aprendidas. Uma pessoa de qualquer raça pode aprender a falar qualquer língua. “

Eu sou Brasileira, mas existe uma mistura de raças no meu país, meu pai é descendente de Portugueses, assim como a família da minha mãe é descendente de índio. E aqui, o Americano/Nós (me incluo nisto porque moro aqui) nos orgulhamos, ou não, como alguns deste vídeo, por ser uma Nação de Imigrantes, por um poder de diversificação cultural dentro da mesma Nação, este vídeo não fala pela maioria que aqui vivem.

E vem a duvida, podemos ficar com raiva do vídeo ou apenas encarar com uma brincadeira? E a liberdade de se expressar? A liberdade de expressão é um direito de todos, concordo, e não podemos tratar isto como dois pesos e duas medidas, devemos pensar no direito de cada um expressar sua opinião, seus pensamentos. Em contrapartida, podem ser responsabilizados por suas ações, posições e palavras, quando se trata desta tal liberdade de se expressar?

Na realidade, a lição está em ser cauteloso com algumas brincadeiras, comentários e vídeos, como descrever sobre uma Nação, sobre um Povo, sobre a sua Etnia, como descrever utilizando uma linguagem que não deixe duvidas, usar sempre o bom senso. As nossas experiências podem, de forma engraçada e divertida, descrever o que já passamos, o que podemos lembrar, o que devemos esquecer, o que foi e é importante para nós.

Não gostei do vídeo… Ops, Eu gostei do vídeo!!! Difícil ne?

E você, o que achou do vídeo?